LANÇANDO O ALUNO PARA A VIDA: A CONTRIBUIÇÃO DO EXISTENCIALISMO DE SARTRE NA DISCIPLINA PROJETO DE VIDA DO NOVO ENSINO MÉDIO.

Autores

  • Klébio José Feitosa Coelho IFsertãoPE

Resumo

A filosofia como disciplina nas escolas, pode contribuir de forma contundente aos anseios que o Novo Ensino Médio vem exigindo. Ao longo de toda a reflexão sobre a necessidade de tê-la em sala de aula, da necessidade ou não de fazer parte da grade curricular, novas disciplinas foram criadas ao longo dessa nova formulação de carga horária, fazendo repensar novamente o papel da filosofia em sala de aula. Entre essas novas disciplinas, temos O Projeto de Vida, disciplina que se tornou obrigatória em todas as escolas secundaristas do Brasil. A abordagem dessa disciplina é a formação do jovem em seu projeto pessoal. Nessa nova perspectiva de ensino, o aluno é protagonista da sua vida pessoal, sendo capaz de criar sua própria trilha, de fazer suas próprias escolhas. Nesse sentido, entendemos que os autores existencialistas serão fundamentais para uma melhor compreensão do sentido de projetar-se e de autoconstrução. O filósofo francês Jean-Paul Sartre e sua abordagem existencialista, mais especificamente em sua obra O existencialismo é um humanismo, se destaca nessa questão. O existencialismo pode levar o jovem a reflexões que possam assegurá-lo melhor na compreensão das suas possíveis escolhas e, sendo essas, grandes responsáveis por toda caminhada humana, até porque nelas o homem reflete quem ele é. Refletir sobre o papel do existencialismo de Sartre na perspectiva humanista é a grande problemática desse estudo. Estudo que envolve a descoberta do ser que existe e que é projetado a um fim.

 

Referências

A Lei nº 11.684/08 altera o art. 36 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir a Filosofia e a Sociologia como disciplinas obrigatórias nos currículos do ensino médio.

BRAGA, Rômulo Vitor. Filosofia e Sociologia. 2. ed. Fortaleza: Companhia brasileira de educação e sistemas de ensino S.A. 2020. (coleção integrada)

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2017.

CONSTANÇA, MARCONDES CESAR; BULCÃO, MARLY. Sartre e Seus Contemporâneos. São Paulo: Ideias e Letras, 2008.

COX, GARY. Como ser existencialista. São Paulo: Alaúde, 2009.

DOURADO, SAULO. Sartre e a desagradável passagem para a vida adulta. Youtube, 2017.

HUISMAN, Denis. História do Existencialismo. Bauru, São Paulo: EDUSC, 2001.

ICE. Instituto de corresponsabilidade pela educação - Aulas de Projeto de Vida e Empreendedorismo 1º Ano do Ensino Médio. Recife, 2016.

JUNIOR, Cezar Augusto V.; ARDANS-BONIFACINO, Hector O,; ROSO, Adriane. A construção do sujeito na perspectiva de Jean-Paul Sartre. Revista Subjetividades, Fortaleza, 16(1): 119-130, abril, 2016.

MELLER, André; CAMPOS, Eduardo. Caminhar e construir: Projeto de vida. 1ª. ed. São Paulo: Saraiva, 2020.

MELANI, Ricardo. Diálogo: primeiros estudos em filosofia. Moderna: São Paulo, 2013.

PÁTARO, Cristina Satiê de Oliveira e RICARDO Fernandes Pátaro. Projeto de vida: escolhas. Edebê, Brasília, 2020.

PERDIGÃO, Paulo. Existência e liberdade. Uma introdução à Filosofia de Sartre. Porto Alegre: L&PM, 1995.

REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. História da Filosofia (vol. I). 6. ed. São Paulo: Paulus, 1990.

REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. História da Filosofia (vol. III). 6. ed. São Paulo: Paulus, 2003.

SARTRE, J.P. A náusea. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

SARTRE, J.P. O existencialismo é um humanismo. São Paulo: Abril Cultural, 1996.

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada. Trad. Paulo Perdigão. Petrópolis: Editora Vozes, 2009.

SOUZA, Mara Thana de. A presença da história no “primeiro” Sartre: Roquentin e a náusea frente a ilusão da aventura heroica. Princípios, Natal, v.16, n.26, jul./dez. 2009, p. 87-105.

Downloads

Publicado

2023-07-14

Edição

Seção

Seminário de Pós-Graduação do IFSertãoPE